Por conta da pandemia causada pelo Coronavírus (Covid-19), muitas pessoas, escolas e empresas optaram por continuar as suas atividades, realizando reuniões, aulas e atendimentos de forma remota, tudo isso para impedir ainda mais o contágio do vírus. No entanto, por mais que seja uma medida necessária, os especialistas têm se preocupado com aumento de doença oculares relacionadas ao uso excessivo de computadores ou outros aparelhos eletrônicos.

As crianças têm sofrido mais com essa nova realidade. Neste ano, houve um aumento em até 39% de diagnóstico de miopia em crianças, de acordo com um estudo feito pela Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SBO). Outro problema relacionado a isso está o surgimento de vários sintomas visuais caudados pelo uso excessivo do computador, como irritação, dor, ressecamento, turvação e ardência, que está diretamente relacionado a Síndrome Visual Relacionada a Computadores (SVRC).

Como se prevenir

A falta de lubrificação nos olhos é uma das principais causas para o surgimento dessas doenças. Diante da tela do computador, os olhos deixam de piscar em uma frequência considerada saudável (de 10 a 15 vezes por minuto) e diminuem em até 60%. Permanecer muito tempo diante dos aparelhos eletrônicos pode causar irritação, levando a pessoa a coçar os olhos excessivamente, podendo desenvolver ceratocone.

Para se proteger desses incômodos ou ameniza-los, o ideal é fazer pausas de 10 minutos por hora. Para as crianças, recomenda-se que o ambiente em que elas estudam seja bem iluminado com luz natural e entre as pausas, respeitando o distanciamento social, faça ou estimule a pratica de exercícios físicos ao ar livre. Leve sempre óculos e lentes de contato com água e sabão neutro e não o álcool em gel.

No entanto, nada substitui um diagnóstico médico. Caso sinta necessidade, procure um oftalmologista, pois este especialista irá tratar o seu problema com precisão e segurança, além de evitar outros problemas que podem ser causados pela automedicação.